O Mundo Real e Vitural de Pokemon Go

PsicoDica #15

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Finalmente!

Nesta quarta-feira, dia 03 de agosto de 2016, o tão esperado jogo para smartphones “Pokémon Go” foi lançado no Brasil – e é bastante possível que você já esteja com seu “smart”  na mão, tentando capturar algum dos monstrinhos virtuais.

A entrada do game que promete mudar ainda mais as nossas formas de interagir e sentir no mundo digital denota o avanço e a constante readaptação, para o consumo de uma vida virtual, que acontece no real.

De acordo com o Professor Titular de Filosofia da Educação da Faculdade de Educação da Unicamp, Eduardo O. C. Chaves “a realidade virtual é uma realidade tornada possível pela revolução da informática dos computadores e das telecomunicações

Se pensarmos na evolução do homem, para sua sobrevivência, a caça foi uma característica rotineira da espécie: os caçadores-coletores, que sobreviviam da captura de animais e coletavam os vegetais.

No mundo contemporâneo a caça se convergiu, hoje as pessoas acordam quase sempre nos mesmos horários, pegam as mesmas conduções e se dirigem aos mesmos centros das cidades: uma caça em busca do produto simbólico, que lhe faz sobreviver à selva urbana.

O paralelismo está quando nós resgatamos esta energia: o combate, o denodo, a canalização desta pulsão, o instinto: caçar e coletar. E desde o lançamento do game: caçar Pokémons. Obviamente a finalidade da captura de Pokémons é diferente dos motivos que moviam Homo sapiens.

texto

 

 

 

 

 

 

 

 

Para o Psicólogo, mestre em Psicologia Social (Uerj), professor pelo Depto. de Educação da Universidade Federal de Viçosa/MG, “virtualizar a vida e nossas produções é permitir que o ar entre por frestas insuspeitas e produza um abalo, uma inquietação, um estranhamento em nossos mundos-verdade, a fim de que igualmente seja criada a oportunidade para o surgimento de novas maneiras de sentir.

Evoluímos” para outras representações, e aqui estamos, eu e você, compartilhando uma mesma linguagem. Logo, internalizados no mundo digital, nos comportamos e aprendemos a sentir, também, dentro da tecnologia que transforma o que é real.

A tecnologia traz para nós a virtualidade, e transformamos num sentimento sólido. Compartilhamos a mesma realidade, uma realidade virtual. O resultado está nas novas e representativas necessidades, nesta plataforma, na comunicação digital, nos games; no novo modelo de vida.

Trazer o digital/abstrato para o concreto e formatá-lo constrói o tipo de pessoa que somos. A grandiosidade em interagir, cativa como os mundos mágicos infantis, que deslizam as crianças entre a fantasia, poderes especiais, e o mundo secular cheio de signos.

Capturar um Pokémon pode ser tão real quanto caminhar nas ruas do seu bairro, afinal eles estão por todos os cantos da cidade.

Referências:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682005000100008

http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2016/08/pokemon-go-veja-como-funciona-o-game-que-e-fenomeno-nos-celulares.html

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36877/39599

Texto de Willian de Andrade

Você pode querer ler também:

A Psicologia por de trás de Stranger Things

O Velho, o Mar e as ferramentas de Hemingway

A Psicologia na Internet, Blogs e Yotube

 

 

Rafael Cerqueira

view all posts

Escritor de meia tigela, editor e idealizador do Piscocast, universitário nerd, amante da psicologia e apaixonado por conhecimento.

0 Comments

Join the Conversation →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *