Memória Por Associação

Arte da Capa

Olhos atentos, vem aí a Psicodica de hoje:

MEMÓRIA POR ASSOCIAÇÃO

 

Azedinho do limão#
Cheiro de tangerina. Vermelho Ferrari. Focinho de cachorro.
Dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola, picles, num pão com …”

 

Sim, você se lembra. Todos nós lembramos. Mas, por que lembramos de tudo isso, ou pelo menos, a maioria destas coisas???

Quando recebemos as informações, de modo geral, elas são categorizadas conforme seu grau de relevância em nosso cérebro.

  Uma das facetas dessa máquina brilhante, para “guardar” informações, é comparando os estímulos recebidos com outros que já visitaram as moradas da nossa mente.

Já sabemos que aprender é reconhecer, então, caro amigo, não adianta achar que lendo um livro uma única vez, vai fazer com que você aprenda a matéria.Imagem 02

 Busque artigos alternativos e complementares e prati
que o aprendizado. Músicas também funcionam bem para se memorizar.

Sabe aquelas leituras técnicas de artigos científicos, documentários, reportagens, ou aquela aula – de matrizes – que até hoje você não sabe para que vai servir?

 Bem, elas podem ser utilizadas para se associarem a conhecimentos relevantes que futuramente você vai querer obter.

Basicamente funciona assim: você conhece 5 pessoas numa festa, e uma delas tem o mesmo nome da sua mãe. De qual destas 5 pessoas você vai ter mais facilidade para se lembrar?!

dv442025

A dica final é: Busque bastante conhecimento, em diferentes fontes e formas. Livros, vídeos, podcasts, artigos científicos, músicas e conversas no boteco, também valem.

 Aos poucos as associações sobre o mesmo tema vão ser criadas em sua mente e as memórias fluirão com mais facilidade.

 Saber, e se lembrar da resposta correta na questão daquela prova não vai ser tão difícil como você pensava.

 

COMPLEMENTE SEUS ESTUDOS COM:

Rafael Cerqueira

view all posts

Escritor de meia tigela, editor e idealizador do Piscocast, universitário nerd, amante da psicologia e apaixonado por conhecimento.

0 Comments

Join the Conversation →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *