Onde Você Mora? – O CEP como IDENTIDADE

psicodica23ondevocemora

 

Hoje é meu último dia aqui.

Pensou João enquanto coloca suas roupas dentro de uma caixa. No chão da sala existem outras tantas amontoadas que se transformaram na principal diversão de seu netinho.

Sua filha com lágrimas nos olhos, o ajuda a guardar o que restou de sua vida.

João está sendo despejado. Sentado no sofá entre o intervalo de arrumação de uma caixa e outra, pega um papel e lê incrédulo a mensagem de despejo. Seu único bem. Juntou o dinheiro de uma vida inteira para dar de entrada, perdeu o emprego, atrasou as parcelas e não houve negociação com a construtora.

Um advogado se sensibilizou com sua causa e entrou com uma liminar para tentar uma nova negociação, sem sucesso.

O atraso das parcelas fez com que seu imóvel fosse a leilão.

Seis parcelas em atraso de um sonho que se tornou um pesadelo.

O medo bateu em sua porta.

Joao, esposa, filha e neto.

Sem lugar no mundo.

Perdeu o CEP. A estrutura familiar cabe em algumas caixas no meio da rua.

Para onde foi sua dignidade? “ Para mim é uma derrota, você trabalhar tanto para ter alguma coisa e perder tudo”.

Ele queria um teto para sua família, hoje mora nas ruas, sem endereço certo, tentando manter sua identidade através de seus documentos ainda intactos pelo tempo.

Racharam seu lar.

Só tem uns aos outros e quem pode saber até quando isso vai durar.

angeAngela M. A. Teixeira – graduanda em psicologia  ,escritora assídua de um diário , amante de café e psicologia e tem como missão promover autonomia, protagonismo e qualidade de vida, visando a transformação individual e coletiva das pessoas.

 

 

O texto acima é baseado nas reflexões do autor. Não pode ser utilizado como fonte científica e não possui fundamentação em nenhuma linha específica da Psicologia.

0 Comments

Join the Conversation →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *