Coisas que você precisa fazer e que são tão essenciais quanto estudar!

É imprescindível estudar bastante todo o conteúdo exigido, mas ninguém consegue viver só com a cara nos livros. Você sabia que estudar para o vestibular é considerado um estresse duradouro intenso, ou seja, que causa uma tensão prolongada? Qual foi a última vez que você dormiu pelo menos oito horas de sono seguidas? Que teve uma refeição balanceada? Saiu com seus amigos? Praticou exercício físico regularmente? Dedicou um tempo para seu hobbie?

Um estudo mostrou que 67.7% dos alunos em situação de pré-vestibular manifestaram estresse. Alguns psicólogos consideram que o estresse pode ser dividido em fases. Uma pesquisa quantificou que 94.2% dos vestibulandos estavam na chamada “Fase de Resistência”, que é a tentativa de encontrar um equilíbrio após passar por um período de estresse muito grande. Nessa fase, há grande gasto de energia tentando alcançar esse equilíbrio, além de sintomas como cansaço, desgaste, esquecimento e até dúvidas sobre a própria capacidade. Dificuldade de concentração, dores de cabeça, dores musculares, tontura… A situação do estudo é para pré-vestibulandos, mas quanto aí não nos estudos durante a graduação ou a pós, ou até mesmo na quantidade de trabalho… E aí, parece com você nesse momento?

Uma coisa que um estudante precisa é de energia. E equilíbrio. Nesse segundo semestre, ainda há apresentação de muito conteúdo e a retomada de tudo aquilo que já foi dado. A única coisa que você não precisa é justamente de algo que atrapalhe seu desempenho nos estudos e muito menos na hora da prova.

Estudar em excesso pode fazer com que a produtividade e a retenção do conteúdo diminuam O que vai acontecer se estudar em exagero é entrar em um ciclo de ansiedade infinito: Precisa estudar – sentar para estudar – não conseguir se concentrar – culpa e ansiedade. Resultado? Rendimento zero.

Quando estamos em uma aula ou estudando, temos a capacidade de reter nossa concentração plena por mais ou menos uns vinte minutos. Conheça seu limite e o quanto você rende.  Se a concentração está indo embora, é bom dar uma pausa de uns minutinhos. Faça um alongamento curto, ouça uma música, dê uma levantada para beber uma água ou o que você quiser, mas que não exija muito do seu cérebro (como usar computador e celular!).

Parecem dicas bobas e óbvias, mas manter um equilíbrio entre estudos e um tempo para descansar é essencial até para a fixação dos seus estudos. Dormir é essencial para que a memória funcione, não adianta virar a madrugada na base do café. Exercícios físicos aumentam a oxigenação do cérebro.

Ativar os centros de prazeres fazendo coisas que você gosta – como sair com os amigos, namorar e ter hobbies – libera hormônios que promovem a sensação de felicidade e relaxamento, o que diminui os hormônios do estresse. Entrar em contato com a natureza também alivia o estresse – não precisa ser nada mirabolante, só de colocar os pés na grama já recarrega as energias. Cuidar da alimentação previne doenças e melhora o desempenho físico e mental.

Certamente, deve ter alguém – provavelmente você mesmo ou alguém da sua família – que irá perguntar “por que você não está estudando?” se fizer qualquer uma dessas coisas citadas anteriormente. Porém, ter um tempo para descansar é tão essencial quanto estudar!

Conclusão: estudar é importante, mas viver só disso pode ser o fator que irá ser decisivo para reprovar ou não. Não adianta nada saber tudo de matemática, mas na hora H ter uma crise de ansiedade. A cobrança é muito grande, mas geralmente quem mais se cobra é você mesmo. Relaxe um pouco é tão essencial quanto estudar! Procure um equilíbrio. Isso irá ajudar na memória, concentração, humor, saúde e desempenho. E se estiver difícil de enfrentar tudo isso sozinho, não hesite em procurar a ajuda de um profissional. Nós, psicólogos, estamos aqui para ajudar!

Gostou do texto? Compartilhe nas suas redes sociais!

Texto de Juliana S. Farias 

julianaJuliana S. Farias é psicóloga formada pela Universidade Federal de São Paulo (CRP: 06/130659). Pós-graduanda em adolescência e formação em Terapia Cognitivo-Comportamental. Atualmente, trabalha em uma equoterapia e atendimento clínico. É apaixonada por terapia assistida por animais. Acredita na psicologia como forma de promoção de qualidade de vida para todos.

Contato : jusouzafarias@gmail.com 

Blog : Psicóloga Juliana Souza Farias 

0 Comments

Join the Conversation →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *