Caule: A dicotomia entre o oculto e o aparente

Desde épocas mais primitivas de nossa história, as plantas têm suma importância em nossas vidas. Entre tantos outros atributos, elas trazem consigo, como um todo, ideias de liberdade e de autonomia.

Elas, as plantas, também nos ensinam algo, aspecto este que comumente esquecemos. Se analisarmos as flores especificamente dentre este universo multifacetado, podemos perceber que elas agregam um colorido em nossa paisagem, deixando assim o aspecto cinzento e tímido, dando lugar para tantas cores e vivacidade.

As flores aparentam, ao mesmo tempo, força e fragilidade, pois superam-se e passam por diferentes adversidades para permanecerem vivas, irradiando sua beleza e agregando ao mundo sentidos peculiares de cada espécie.

Comumente, as flores são abordadas repetidas vezes em poesias, músicas e romances. Pouco se discorre, porém, sobre o caule.

Talvez por não serem tão vistosos, ficam opacos e até despercebidos perante a magnitude das flores. Entretanto, são os caules que sustentam toda a planta. Trata-se de uma haste das plantas vascularizadas, provida de ramos e/ou folhas, ligada à parte subterrânea ou raiz.

Existem caules diferentes, com características peculiares. Muitos são julgados pela sua aparência, podendo transparecer rigidez ou flexibilidade, mas independente destes aspectos, a função do caule é a de sustentação. Escondem-se para que a magnitude das flores seja apreciada.

Todos nós, em algum momento da vida, somos caules. Caules dos nossos amores, de amigos, de filhos, de pais e até mesmo caules em nossas profissões. Por quê não? Como mencionou Glauber Lima: “Uma planta com o caule flexível resiste mais a uma ventania, do que uma árvore de tronco rígido”.

Não estamos em evidência sempre como as flores e nem precisamos disso. Ter a ciência de que podemos apoiar alguém e que podemos, como um caule, realizar uma ligação entre o que alguém almeja e a sua realização, isso nos traz uma grande satisfação.

A dicotomia entre o oculto e o aparente nos assola. Muitos almejam e acreditam que o fato de estar aparente e em evidência é o que traz satisfação. Se bem analisarmos o valor de estar oculto, podemos perceber o sucesso daqueles que amamos, sabendo que contribuímos com a felicidade deles.

Ao admirarmos uma flor, a atenção poderá se voltar para o caule e tudo com uma outra perspectiva. A beleza maior ao ver uma flor, pode não estar nela somente, mas na planta como um todo. O caule faz parte deste todo.

     Gostou do texto? Compartilhe nas redes sociais!

Claudiane do Rocio Quaglia Nunes – Psicóloga Clínica e Pedagoga (CRP nº 06/134348). Formada pela Universidade Nove de Julho . Especialista pela Uninter em Psicopedagogia. Atualmente é discente do curso de Especialização na USP em Terapia Comportamental . Atende em São Paulo –  SP . Idealizadora do site  Ideais de Mim 

Contato: claudianequaglia14@gmail.com

Site: http://ideaisdemim.blogspot.com.br/ 

           

 

0 Comments

Join the Conversation →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *